Logística Transporte Rodilson Silva

10 Custos básicos em Transporte

10 elementos básicos para redução dos custos no Transporte

Em geral o custo em transporte é medido considerando quatro principais atividades. O conhecimento desses custos permite que o transportador obtenha um preço melhor selecionando o modo de Transporte mais adequado. As quatro principais atividades consistem em:

  • Modo de Transporte
  • Coleta e entrega
  • Manuseio
  • Faturamento e cobrança
Custos do modo de Transporte
Redução de Custos no Transporte

Redução de Custos no Transporte

Quando os produtos são carregados, eles são enviados em uma embalagem que possui uma capacidade de volume e peso. O transportador, privado ou contratado, possui custos básicos para mover esses produtos, que existe em caso da embalagem está cheia ou não. Para um caminhão, estes incluem itens como o salário do motorista e a depreciação devido ao uso.

Estes custos geralmente variam de acordo com a distância percorrida, e não o peso transportado. O transportador tem essencialmente os mesmos custos básicos se o caminhão se move cheio ou vazio. Se estiver meio cheio, os custos básicos devem ser distribuídos apenas sobre os produtos presentes no caminhão.

Custos de Coleta e entrega

Os custos de coleta e entrega são semelhantes aos custos do modo de Transporte, exceto que o custo depende mais do tempo gasto do que da distância percorrida. O transportador cobrará por cada coleta e pelo peso coletado. Se um transportador estiver fazendo vários embarques, será mais barato se eles estiverem todos consolidados e forem coletados durante a viagem.

Manuseio

Os custos de manuseio dependem do número de vezes que uma carga deve ser carregada, manipulada e descarregada. Se as cargas do caminhão forem enviadas completas, os produtos não precisam ser manipulados no terminal, e podem ir diretamente para o destinatário – “Crossdocking”.

Se as cargas forem enviadas em partes, elas precisam ser levadas para o terminal, descarregadas, ordenadas e carregadas em outro veículo. No destino, os bens devem ser descarregados, classificados e carregados em um veículo de entrega local.

Um transportador que tem muitas entregas, todas com pequenas encomendas, espera-se que os custos de manuseio do terminal sejam altos porque haverá uma taxa de manipulação para cada pacote ou carga.

A regra básica para reduzir os custos de movimentação do terminal é reduzir o esforço de manuseio, consolidando os envios em menos pacotes ou cargas.

Faturamento e cobrança

Toda vez que uma remessa é feita, existe a necessidade de uma documentação e uma fatura deve ser feita. Os custos de faturamento e cobrança podem ser reduzidos através da consolidação dos embarques e da redução da frequência de captação.

Como reduzir os custos totais de Transporte

Depois de entender os elementos de custo no Transporte, você pode reduzir o custo. O Transporte total consiste em modo de Transporte, coleta e entrega, manuseio e faturamento e cobrança. Para reduzir os custos de envio, o transportador precisa fazer o seguinte:

    • Reduza os custos da linha de Transporte aumentando o peso enviado;
    • Diminua os custos de coleta e entrega reduzindo o número de coletas. Isso pode ser feito consolidando e aumentando o peso por cada coleta;
    • Diminua os custos de movimentação de terminais diminuindo o número de encomendas, consolidando os embarques;
    • Diminuir o faturamento e cobrança através da consolidação dos embarques.




A seguir, os elementos essenciais que compõem essas atividades para a composição do custo de Transporte que devem ser levados em consideração:

1. Modo de Transporte

A decisão mais crítica é a seleção do modo de Transporte apropriado. Isso corrige dois elementos básicos da função de distribuição:

Modais de Transporte

Modais de Transporte

      • Tempo de trânsito ou tempo entre produção e venda;
      • Nível de custos de Transporte.

Existe uma relação inversa entre o tempo de trânsito e o custo de Transporte – quanto menor o tempo de trânsito, maior o custo de Transporte. No entanto, uma decisão que leva em conta apenas um fator de custo não pode ser justificada.

Também deve ser considerada uma avaliação do efeito do tempo de trânsito em outros custos. A produção não vendida representa um alto custo, e quanto mais longo o tempo de trânsito, maior o nível de produção não vendida.

2. Custos de inventário

Um serviço de primeira classe para clientes geralmente requer entrega imediata e, portanto, necessita de um estoque disponível no mercado. A economia, por outro lado, exige um estoque mínimo. O nível de produtos mantidos em estoque é ditado por:

      • Tempo de trânsito: se o tempo entre a produção e a venda for maior, o nível de estoque será maior;
      • Padrão de vendas: se o padrão de vendas for errático, maiores níveis de estoque são causados;
      • Padrão de produção: se o padrão de produção for errático, os níveis de estoque mais elevados devem ser mantidos para evitar falta de produtos.

Os padrões de vendas e produção quando estão em grande parte fixados, se torna uma variável importante, que pode influenciar o nível do estoque e o tempo de trânsito. À medida que o tempo de trânsito é reduzido, o nível de estoque estático pode ser reduzido com a redução de estoque associado.

3. Capital empregado

Mais capital pode ser liberado alterando a proporção do estoque total em trânsito. Isso pode ser feito ajustando o tempo do trânsito. À medida que o tempo de trânsito é reduzido, a quantidade de mercadorias em trânsito pode diminuir com uma redução de capital associada nos custos de estoque.

Ao identificar o custo de capital do estoque em trânsito e dos bens, os compromissos de capital podem ser reduzidos e mais capital pode estar disponível para outros fins.

4. Obsolescência no Transporte

Quando um modo de Transporte lento ou errático é empregado, é necessário um maior nível de estoque para assegurar uma entrega contínua e rápida ao cliente. No entanto, quando os projetos mudam rapidamente, a obsolescência reduz o valor de mercado dos produtos armazenados.

Avanços rápidos na tecnologia provocam uma obsolescência técnica mais rápida. Qualquer mercadoria no pipeline percebe a decadência de outro produto quando novos modelos são introduzidos por uma empresa ou concorrentes. A distribuição aérea pode superar esse problema, e o efeito dessa obsolescência pode ser minimizado.

5. Embalagem

A natureza da embalagem de um produto é muitas vezes determinada pelo modo

Embalagens de Transporte

Embalagens de Transporte

de Transporte. Devido às condições secas de Transporte, dos curtos tempos de trânsito e do mínimo de movimentação, a carga aérea geralmente exige muito menos embalagem do que outras formas de Transporte de longa distância.

Os bens expedidos por via aérea podem exigir apenas uma capa de proteção contra poeira ou mesmo nenhuma capa. Em alguns casos, os savings na embalagem de produtos sofisticados pode ser mais do que suficiente para pagar os custos reais de Transporte.

Menos embalagens podem levar a outras vantagens também. Estes incluem menores custos para desembalarem o produto e menor peso exigível para frete.

6. Seguros

Os riscos do seguro são baseados no tempo de trânsito, bem como a possibilidade de danos no percurso. Com tempos de trânsito mais rápidos, manipulação habilidosa, redução substancial de danos e maior segurança em trânsito, os prêmios de seguro tendem a diminuir substancialmente.

7. Quebras

O custo das rupturas é um fator importante em qualquer análise de custo benefício. Como as quebras podem ser indenizadas pelas companhias de seguros, o verdadeiro custo do dano às cargas pode ser facilmente ignorado.

Em primeiro lugar, a vulnerabilidade de vários produtos enviados por diferentes modos é refletida no prêmio do seguro. Altos prêmios devem ser adicionados ao trabalho envolvido no estabelecimento de reivindicações, fazendo substituições e a perda de boa vontade do cliente.

As próprias substituições estarão sujeitas aos mesmos riscos e os prêmios exigirão ainda mais documentação.

Portanto, o modo correto de Transporte deve ser devidamente selecionado, o que reduz substancialmente os danos reais em trânsito. Isso exige uma seleção das rotas mais diretas e que evitem o transbordo. O equipamento de manuseio também deve ser mais sofisticado.




8. Roubos

Muitos problemas administrativos caros associados a quebras também se aplicam ao roubo. Este problema pode ser reduzido,  quando se usa contêineres fechados para entrega, um fato importante que reflete novamente em taxas de seguro mais baixas.

9. Deterioração no Transporte

Em muitas cargas, a deterioração pode ser evitada apenas por embalagens complicadas e caras para impedir o choque mecânico, exposição ao clima ou temperatura desfavorável, etc. Algumas não podem ser armazenadas, exceto com grandes gastos, e outros se deterioram lentamente.

A deterioração pode ser cara em termos de embalagem, perdas de estoque e condicionamento caro. E isso pode fechar a porta em muitos mercados distantes. Uma alta velocidade de Transporte e a frequência de serviços podem superar muitos desses problemas.

Transporte Global

Transporte Global

10. Custos

O Transporte pode ser dividido em 3 fases:

      • Entrega para docas, aeroporto ou estação ferroviária;
      • Transporte de um terminal para outro;
      • Entrega do terminal no local do destino.

O Transporte é um dos elementos mais visíveis das operações logísticas.

O principal objetivo é mover o produto de um local de origem para um destino prescrito e minimizar os custos de recursos temporais, financeiros e ambientais. As despesas com perdas e danos também devem ser minimizadas.

Ao mesmo tempo, o movimento deve ocorrer de forma a atender às demandas dos clientes quanto ao desempenho de entrega e disponibilidade de informações de embarque.

Até a próxima, seja o seu melhor, invista no sucesso de outros e faça a sua viagem contar.

Rodilson Silva

Gostou do conteúdo, por favor compartilhe!!!




CURSOS ONLINE
Cursos online para qualificação profissional, em diversas áreas do conhecimento, com certificados válidos para você dar upgrade na sua carreira.

Cursos Online

Cursos Online

Compartilhe

Sobre o autor | Website

Rodilson Empreendedor Digital, Autor, Colunista, investidor e fundador do Site Guia Corporativo.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!